Coisas que eu gostaria de ver no Write.as

Resolvi recriar o meu blog pessoal. Na verdade é um começo, mais que um recomeço, já que eu não pretendo republicar nada que havia escrito no passado, em outros tempos. O que me empolga, sempre que inicio um novo blog, é customizá-lo e implementar coisas que farão dele o meu espaço personalizado. Mas não foi tão simples no write.as. Temos disponíveis, como usuários Pro, a possibilidade de editar o CSS, implementar um pouco de javascript e inserir algum html. Isso é suficiente?

Enumerei algumas coisas que não consegui implementar por conta própria ou que contornei toscamente. Também faço sugestões de como essas coisas poderiam ser resolvidas. Mas sim, serei duro. Não é porque eu adoro o serviço que vou poupá-lo das críticas. No final o leitor poderá perguntar: “porque você não procura outro lugar?” A resposta está na confiança, no alinhamento aos princípios da plataforma e também por acreditar que muitas dessas funções que eu desejo, podem ser implementadas no futuro.

Então vamos ver a lista

Favicon – Atualmente, para alterar o favicon, é necessário enviar um e-mail e pedir para a equipe fazer para você. Precisa enviar o arquivo e eles fazem todo o trabalho manualmente. Seria muito mais fácil e algo que parece simples implementar, ter um campo para isso no painel do blog.

Acesso ao cabeçalho <head> – Melhor ainda se liberassem a edição do html do tema ou pelo menos do cabeçalho do index. Nesse caso, além de favicon, outras personalizações e alteração de metadados, hoje inviáveis, poderiam ser feitas. Certo, traz insegurança, mas poderia ser implementada de forma inteligente, permitindo apenas alguns casos, como já acontece com o javascript.

Flexibilizar o rel=nofollow – Na mesma direção está a impossibilidade de retirar o atributo rel=nofollow nos links. Essa é uma medida de proteção realmente recomendada, mas poderia haver um modo dos usuários poderem escolher usar outros atributos. Solução: bastaria configurar uma regra para que quando o usuário escolhesse outro atriburo, diferente do rel=nofollow, o sistema entendesse que não deveria usar o nofollow nesse link específico, mas sim a opção que o usuário colocou.

Permalinks – Se você tem um domínio próprio, hoje não é possível escolher de que forma suas postagens aparecerão nos permalinks e isso é terrível. Em casos de migração para outro serviço ou quando você chega de outros sistemas para o write.as, perdemos todos os links. O Wordpress tem uma solução adequada, que poderia ser implementada, mesmo que parcialmente, também aqui.

Links no Menu – Se você quer colocar sua rede social, link externo ou e-mail no menu principal não conseguirá. Mais uma vez uma implementação básica no painel do blog resolveria. O motivo de não ter sido implementado já foi explicado em algum momento por Matt, o desenvolvedor da plataforma. Mas eu não lembro onde e não concordo. Resta-nos fazer isso via javascript, se você souber como.

Aspecto social – O write.as é um sistema de publicação, este é o seu foco. Isso está claro e já foi dito que essa é sua função, sobrepondo características sociais. Acontece que além de não ser o foco, que é um argumento justo, a plataforma dificulta se esse for o desejo dos seus usuários. Que tal um simples sistema de kudos ou algo parecido? Uma integração mais simples com o Mastodon, por exemplo? Atualmente podemos replicar uma postagem num blog do Ghost! Sério? Quem usa realmente essa função? Penso que um botão para compartilhar a postagem no Mastodon ou Twitter no final do post seria muito mais útil.

Comentários – Deixe o usuário escolher se quer ou não. Implemente ou facilite a implementação. Verdade, há um esforço em criar um novo e diferente serviço de comentários, o Remark.as, mas isso parece muito distante e não deve ser lançado plenamente antes da colonização humana em Marte, já que faz anos que existe a expectativa, mas pouco foi feito de fato. Soluções encontradas no fórum são trabalhosas, caras ou ruins mesmo. Uso uma delas, mas precisei de ajuda e recursos de servidor.

Interação entre usuáriosread.write.as é incrível, uma das coisas mais bonitas da plataforma, mas é limitado, pois não é possível interagir, comentar, compartilhar, responder. Ele apenas lista as novas publicações, um serviço de RSS pode fazer o mesmo. Tantas possibilidade poderiam surgir.

Indieweb – Ainda no aspecto social, a incapacidade de implantar recursos da Indieweb é bastante frustrante. Seria uma solução simples para interação, comentários e fortalecimento de uma rede escritores e blogueiros. Tenho meu próprio domínio, mas não tenho total controle sobre ele se estiver apontado para o write.as, já que não posso sequer provar que ele é meu através do meu blog. Uma implantação via painel do blog poderia resolver já que pelo menos 2 coisas atrapalham (rel=nofollow obrigatório e cabeçalhos inacessíveis).

Busca – Encontrar coisas com facilidade deveria ser padrão em qualquer site. Usar truques com iframes e jogar os leitores para fora do blog para encontrar coisas é muito, muito ruim. Sem uma caixa de busca descente, a responsabilidade de indexar manualmente, seja com tags, ou índice, página de arquivo, recai sobre o administrador, mas não deveria ser assim, pra isso serve a computação, para automatizar.

Conclusão

Essas foram as funções que senti mais falta, mas não são as únicas. Você deve notar que implementei bastante coisa aqui, pouco comuns em outros blogs com o write.as. Isso só foi possível pela minha experiencia com CSS e minha arte com gambiarras em blogs desde 2005. Isso está longe de ser viável para a maioria dos usuários.

Realmente é muito mais fácil proteger um sistema proibindo tudo, mas é também decepcionante para os usuários mais avançados e demonstra uma visão centralizadora. É um modelo de gestão bem próximo ao que encontrei no Svbtler ou no Silvrback, por exemplo, que torna a vida da equipe de administradores mais fácil, mas reduz a capacidade dos usuários.

Apesar das minhas críticas eu acredito no projeto. Entendo que Matt é bastante ocupado com vários projetos e a equipe, que parece bem reduzida, trabalha lentamente no seu tempo e que coisas novas são implementadas com a frequência possível. Eu uso e continuo recomendando o write.as para quem quiser uma plataforma de publicação simples e atenta aos valores de fazer uma internet melhor.

Por fim, respondo a pergunta inicial. Sim, as funções e características disponíveis hoje no Writes.as são suficientes para publicação e customização básica, basta ver a enorme variedade de blogs e estilos dos escritores no read.write.as. Poderia ser mais fácil. . Não quero um CMS completo, não é isso. Quero apenas a essência do blog como um lugar que reflete em tudo seu autor, não apena no que ele escreve, mas também na forma que interage com seus leitores.

Espero que Matt ou outro membro da equipe veja essa postagem. Aqui eles, depois de ter uma experiência visual e de navegação personalizada, terão a oportunidade de me responder nos comentários e compartilhar facilmente nas suas redes, se desejarem. Talvez isso tudo seja apenas distração, como sugerido na página inicial do peojeto. #wrireas #customizacao #bloggin

___
Share via Mastodon or